quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Mulheres que fizeram história através da beleza!

Pin-Ups
Falar sobre as pin-ups é voltar ao fim do século 19, época em que o teatro de revista transformava dançarinas em estrelas, fotografadas para revistas, anúncios, cartões e maços de cigarros. 
Em Paris, dois artistas, Alphonso Mucha e Jules Cheret, criaram as primeiras imagens de mulheres em poses sensuais para pôsteres, com trabalhos marcados pela presença de contornos e detalhes.
Foi na década de 40, que as pin-up girls (ou “garotas penduradas”) viveram o auge do sucesso. 
Numa época em que mostrar as pernas era atitude subversiva e ser fotografada nua, atentado ao pudor, lápis e tinta davam forma a essas mulheres, carinhosamente chamadas de “armas secretas” pelos soldados americanos – na Segunda Guerra Mundial, elas serviam de alívio para os pracinhas que arriscavam a vida nos campos de batalha. Betty Grable foi uma das mais populares dentre as primeiras “pin-ups”. Um de seus posters tornou-se onipresente nos armários destes soldados




Marilyn Monroe foi um dos maiores símbolos sexuais do século 20. Seu nome verdadeiro era Norma Jeane Mortensen, filha de Gladys Baker, que trabalhava nos estúdios RKO como editora de filmes.
A estrela, que deixou o mundo aos 36 anos, personificou o glamour hollywoodiano dos anos 50. Sua aparente vulnerabilidade e inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram uma das mulheres mais desejadas do século 20.


A atriz francesa Brigitte Bardot determinou de forma decisiva a imagem da mulher no final dos anos 1950 e início da década de 60. Era uma garota de aspecto natural com um enorme sex appel, misto de leviandade e ingenuidade. Com cabelos loiros despenteados, lábios carnudos e grandes olhos escuros, Brigitte encarnou perfeitamente a mistura fascinante da ninfeta com a femme fatale.




À frente de seu tempo, Helena Rubinstein foi uma grande pioneira na indústria da beleza, ao distribuir seus produtos em lojas de departamento e a criar a profissão de consultora. 
Foi no período da Grande Depressão Americana que ela inaugurou salões e lojas em doze grandes cidades americanas. Em 1932 a HR (como a marca ficou mais conhecida) trouxe os primeiros produtos para o Brasil. Em 1953, ela inovou novamente ao criar a Fundação Helena Rubinstein, sediada em Nova York, que patrocinava projetos que visavam os direitos e o bem-estar das mulheres e das crianças, e o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura. “Fiquei rica graças às mulheres, portanto esse dinheiro deve ser usado para o benefício delas e de seus filhos”, dizia ela, dona de um espetacular acervo de arte com obras de Matisse, Dalí e Picasso, que ficavam expostas numa galeria de sua cobertura, em Nova York.


Aqui o retrato de toda mulhER!!

 Fonte: google


Boa noite e toda mulher sinta-se homenageada!!

Beijos!!


2 comentários:

  1. Oiiiii flor..amei seu espaço..tow te seguindo..me segue tbm..bjs 0/ ecoluxolotus.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante e se quiser esclarecer alguma dúvida sobre tratamentos, fica vontade, estarei respondendo!